Previous Page  9 / 16 Next Page
Information
Show Menu
Previous Page 9 / 16 Next Page
Page Background

9

REVISTA MODA RIO DEZEMBRO | JANEIRO | 2016

ENCONTRO APLS •

“O encontro foi extremamente produtivo para os

empresários que participaram e puderam conhecer

um pouco mais sobre o e-commerce, como criar o

seu próprio espaço virtual de vendas ou participar de

algum já existente, e ainda, como utilizar os serviços

de um design online, do outro lado do mundo, de

maneira segura. Essa é uma das áreas fundamentais

para o sucesso de uma marca. Nessemomento, buscar

novas oportunidades e investir na apresentação dos

produtos e serviços são fatores essenciais para atrair

um novo portfolio de clientes, disse a subsecretária

de Comércio e Serviços, Dulce Ângela Procópio.

5 MILHÕES DE PEÇAS EM ESTOQUE

Segundo ThibaudLecuyer, que nunca sabe o número

exato de mercadorias que possui em estoque, a

média hoje é de 5 milhões. “O Brasil já consome

muito moda e beleza por meio da internet e esse

bolo cresce a cada dia. Mesmo em momento de crise,

durante o Black Friday, quando esperávamos vender

o que normalmente vendemos em 8 dias, chegamos

perto. O resultado foi cerca de 80% do previsto”,

afirma. Apostando na força das vendas online, fechou

2015 fazendo mais duas aquisições de empresas que

comercializam pela internet.

Mas o que mais chamou a atenção foi a estratégia de

negócios que a Dafiti adotou desde o início. Primou

pela satisfação absoluta do cliente. Criou seu próprio

callcenter e trabalha com estoque. Compra cerca de

80% da produção das empresas e expõe par venda.

“Assim, um comprador de São Paulo ou Rio recebe

a mercadoria no dia seguinte. Fizemos tudo para

facilitar a experiência do cliente. Criamos muitos

filtros no site para permitir uma boa navegabilidade,

produzimos todo o conteúdo (fotos dos produtos,

texto...), fazemos a devolução ou troca rápidas.

Buscamos sempre 100% de satisfação do cliente. É

ele que paga as contas e tem que ser bem tratado”,

encerrou.

DESIGN AO ALCANCE DE TODOS

Dan Strougode, diretor da 99Desing, contou um

pouco de sua história. De 2009 para 2010lançou um

site para atender empresários com serviços de desing

pela internet, oferecendo, assim, uma gama grande de

profissionais de design Brasil afora e com valores de

trabalhos de mais baixo custo para o empresariado.

Inspirou-se em experiências américas e australianas.

Nascia, assim, aLogoChef, startup comprada mais

tarde pela gigante 99Designs, onde hoje ocupa o

cargo de Country Manager, no Brasil.

Segundo o executivo, de um lado estão mais de

um milhão de designers e o doutro, os clientes. O

site faz o meio campo, regulamenta e estabelece as

relações, e as administra. “Na produção de um logo

tipo, o contratante deposita o valor (cerca de 850)

e o designer só recebe quando entrega o trabalho,

conforme o contrato firmado. Criamos formas de

garantir a originalidade dos projetos gráficos e de

promover concursos. O empresário expõe sua

necessidade, os designer apresentam seus projetos e

o contratante escolhe, entre os inscritos, aquele que

mais lhe agrada”, explica Dan.

Os dois palestrantes desenvolveram maneiras de

aproximar vendedores e compradores do mundo

tudo, seguindo o princípio básico estabelecido pela

internet, o de conexão sem barreiras. Mas sem

barreiras não quer dizer sem burocracia. Ainda

há muito o que se fazer, principalmente no Brasil,

para tornar viável a atuação de empreendedores no

mundo virtual.

A 99designs é a maior plataforma de design do

mundo com sede em São Francisco. O site favorece

um tipo de serviço que até pouco tempo somente os

grandes tinham acesso. Hoje esse serviço está mais

acessível e os micro empresários têm a oportunidade

de agregar valor à marca e aos produtos utilizando os

recursos via web.

“Temos mais de um milhão de designers no mundo

inteiro para atender serviços como logotipo, cartões,

embalagens, estampas, capas de revistas, entre outros

itens. A melhor coisa para quem está começando é

ver seu projeto em cores, por meio da criação da

sua marca. Qualquer micro empresa pode ter um

processo de design que vai ter resultado em curto

prazo”, explicou Strougo.

O Rio de Janeiro reúne 22 arranjos produtivos locais

de vários segmentos da economia presentes em todo

Estado com mais de 55 mil empregos formais.

SUCESSO: AUDITÓRIO LOTADO, COM EMPRESÁRIOS E

AUTORIDADES FICANDO NO EVENTO ATÉ O FINAL

SUB-SECRETÁRIA DE ESTADO, DULCE ÂNGELA, ABRE EVENTO

E AGRADECE AO PÚBLICO PELA PRESENÇA